Quer saber sobre o nosso processo de criação?

Atualizado: Mai 25

Olá! Aqui é a Joan, vim falar um pouco sobre como está sendo o nosso rolê de composição para as próximas músicas!


Final do ano passado, que aliás foi um puta ano pra gente... lançamos nosso primeiro álbum "Deus Picio", fizemos turnês, tocamos em várias cidades e festivais, participamos de um projeto MUITO foda do Spotify, o "Escuta as minas", e conhecemos muita gente massa da galera que está no mesmo corre <3.


Foi lindo! 2019 já estava acabando e começamos a querer pensar nos novos sons. Foi aí que a Dani Buarque teve a grande ideia de alugar uma casa no mato, afastada de tudo pra gente ter um tempo pra compor. Respirar ar puro, sair um pouco da loucura da selva de pedra e focar nas nossas músicas sem interferência externa... Apenas na companhia de nos mesmas e todo o verde que pudesse nos cercar, assim como os bichinhos da mata (essa parte eu tive um pouco de medo! he). Enfim, topamos muito a ideia.


Aí que em janeiro de 2020 (sim, antes desse caos todo que estamos vivendo) achamos uma casa maravilhosa em Cotia, que além de ser linda, tinha uma super energia e uma vista chocante pra natureza. Ela foi toda construída em madeira, pedra e vidro, o que nos proporcionou a acústica ideal. A casa não poderia ser mais perfeita! A não ser pela D. Fátima, que organizou ela inteirinha com o maior carinho para a nossa chegada.



Maaass nem tudo foi mil maravilhas, antes de chegar no nosso lar de composição, pegamos a estrada e no caminho, pipipi popopó, conversa vai conversa vem, perdemos a entrada que D. Fátima nos instruiu a pegar e acabamos tendo que pedir auxílio ao bom e velho Google Maps.


Quatro minas dentro de um carro lotaaado de instrumentos, malas e compras de mercado, rango e bebidas para o retiro. Enfim o carro estava entupido de coisas. MANO, fomos parar em uma ladeira hiper estreita, chão de terra (tinha chovido), CHEIA de buracos estratosféricos, não tinha como fazer a volta, era praticamente uma trilha e não havia a possibilidade de dar ré, não tinha poste de luz, e os celulares não pegavam. A única coisa que tinha era uma mata bem fechada em volta.


Ficamos um pouquinho desesperadas, acho que foi a vida falando " não queria mato? tooma mato!". Mas respiramos fundo, conseguimos conter o leve desespero, eu a Daniely e a Alê saímos carregando algumas coisas para deixar o carro mais leve, enquanto a Dani Buarque dirigia MUITO devagar, tentando passar pelas crateras sem destruir o carro (quero agradecer aqui o sangue frio que teve, amiga. Levou a direção muito bem, fiquei orgulhosa haha). Andamos alguns quilômetros assim, fora do carro, devagarinho... mirando a lanterna dos celulares em todos os buracos tentando entender até onde o carro podia ir. Eram muitos, presumo que aquela "rua" não era para carro. haha.


UFA! Conseguimos, chegamos 3 horas atrasadas mas chegamos sãs e salvas! Foi só colocar o pé pra dentro da cerquinha da chácara que já esquecemos todo o perrengue, diria até que a gente tem esse poder de superar os perrengues rapidinho. De qualquer forma a chácara da D. Fátima ajudou, não tinha como não ajudar... um lugar tão foda!


Chegamos 1 hora da manhã, descarregamos o carro e começamos a montar nosso set na sala... bateria, amplis, pedais. No dia seguinte já poderíamos começar a tocar cedo. Tava todo mundo podre (lembrando que todas tinham acabado de sair dos seus próprios trampos antes de pegar a estrada), mas todo mundo conseguiu descansar bem, a casa realmente tinha uma vibe incrível e o momento também.


A gente passa alguns perrengues mas a gente se diverte demais.



Foram 3 dias! Começamos com varias jam's, quando saia algo bom a gente gravava no celular e nomeava cada áudio. Nomes bem peculiares: "barquinho", "mantra", " Popô"... E separamos os áudios por grupos.

Depois nós pegamos cada som, os que já estavam um pouco mais estruturados e começamos a tentar dar um corpo a eles, arranjá-los.



Cada uma teve seu tempo! Teve horas que só eu e a Dani Buarque ficamos tocando (Dani conseguiu tocar guitarra, bateria e cantar ao mesmo tempo. Temos isso gravado!), outras horas a Alê e a Daniely, trocava sempre, mas a maioria das vezes estávamos todas juntas. Tirando as vezes que uma saia pra passear na mata, outra pra meditar, outra pra comer, e voltava.. foi bem tranquilo.



Tudo no seu tempo, sem pressão ou exigências. E acabou saindo um monte de coisas legais!


As Danis fizeram até um reggaeton na madruga, aliás vocês PRECISAM escutar isso! HAHA , é maravilhoso demais.


Resumindo temos muitos sons que partiram de Jams por isso sempre acabamos priorizando o lugar do improviso, mas também temos músicas que começaram com riffs, solo de bateria ou de qualquer pira que uma de nós tivemos e jogamos na roda para começar a trabalhar em cima.


E vai rolando, acho que por isso que a gente não se enquadra direito em nenhum estilo musical, cada uma tem suas influencias, todas escutam um monte de coisas diferente e cada uma contribui de alguma forma... Acaba saindo isso tudo aí, uma mistura de um monte de coisa.


Me empolguei aqui escrevendo, ficou enorme o texto... mas acho que deu pra entender um pouco do nosso processo, até mesmo os perrengues e as risadas, tudo o que passamos de alguma forma faz parte dele. :)



118 visualizações

quer saber as novidades da banda em primeira mão?